Elementos para uma crítica do “novo materialismo”. Ou, mais além de Latour, de volta a Hegel.

Elementos para uma crítica do “novo materialismo”. Ou, mais além de Latour, de volta a Hegel.

Por Slavoj  Žižek (Tradução do Grupo de Estudos em Antropologia Crítica) O que vibra na matéria vibrante é a sua força vital imanente, ou alma (no preciso sentido aristotélico: princípio ativo imanente da matéria), não a subjetividade. O novo materialismo rechaça, portanto, a divisão radical entre matéria e vida e entre vida e pensamento; em todos … Continuar a ler

“Rememorar Outubro, pensar mais além da ‘agência'” e “Uma martelada na cabeça”

“Rememorar Outubro, pensar mais além da ‘agência'” e “Uma martelada na cabeça”

As situações narradas por Luis Brunetto em “Uma martelada na cabeça” (Un martillazo en la cabeza) não podem mais do que soar extemporâneas, e até mesmo incríveis, aos ouvidos de uma ciência social conformada com abordar as assimetrias de poder e as desigualdades do seu tempo sob o prisma daquilo que poderíamos denominar, muito genericamente, … Continuar a ler

Totalitarismo, último estágio do capitalismo? Reflexões em diálogo com Marx e Spinoza.

Totalitarismo, último estágio do capitalismo? Reflexões em diálogo com Marx e Spinoza.

Por Frédéric Lordon Tradução realizada pelo Grupo de Estudos em Antropologia Crítica (GEAC) A perspectiva de Marx sobre as relações salariais é insubstituível, mas nada nos impede de completá-la com uma antropologia das subjetividades desejantes. Contudo, para fazê-lo precisamos liberar a ideia de “subjetividade” de todos os correlatos (cogito, livre arbítrio, capacidade de auto-determinação) que … Continuar a ler

Marxismos con antropologías. 2° taller virtual del GEAC.

Marxismos con antropologías. 2° taller virtual del GEAC.

Articulada con el marxismo, la vocación antropológica se convierte en práctica de análisis y acompañamiento político de las alteridades rebeldes; aquellas que transbordan y transgreden la pretensión totalitaria de la producción capitalista y su parafernalia político-institucional. Hablar de marxismo con antropologías es reinscribir el análisis crítico y situado de la vida colectiva en el horizonte … Continuar a ler

Marxismos com antropologias. 2ª oficina virtual do GEAC.

Marxismos com antropologias. 2ª oficina virtual do GEAC.

Articulada com o marxismo, a vocação antropológica se converte em prática de análise e acompanhamento político sistemático das alteridades rebeldes — das invariantes comunistas? — que transbordam e transgridem a pretensão totalitária da produção capitalista e da sua parafernália político-institucional. Falar de marxismos com antropologias é, portanto, re-inscrever a análise crítica e situada da vida … Continuar a ler

GEAC 2017: Antropologia, acontecimento, possíveis, hipótese comunista, teoria social

GEAC 2017: Antropologia, acontecimento, possíveis, hipótese comunista, teoria social

O Grupo de Estudos em Antropologia Crítica já está preparando sua agenda de atividades para 2017, ano em que se festeja o centenário da Revolução de Outubro. Uma oficina virtual do GEAC e um conjunto de textos especiais estão sendo organizados para os próximos meses. Em Outubro de 2017 nos encontraremos em Porto Alegre para discutir … Continuar a ler

Realismo crítico, relações sociais e defesa do socialismo

Realismo crítico, relações sociais e defesa do socialismo

Por Roy Bhaskar (tradução: Grupo de Estudos em Antropologia Crítica – GEAC) A relação entre conhecimento social, ou teoria, e prática social (mais especificamente socialista) tomará a forma de uma espiral emancipatória na que um conhecimento mais profundo possibilite novas formas de prática, que conduzam, por sua vez, a uma maior compreensão e a novas … Continuar a ler

O neoliberalismo é, hoje, um paradoxo que dilui a fronteira entre em cima e embaixo, exploração e resistência. Entrevista com Verónica Gago.

O neoliberalismo é, hoje, um paradoxo que dilui a fronteira entre em cima e embaixo, exploração e resistência. Entrevista com Verónica Gago.

Entrevistadorxs: Amador Fernández-Savater, Marta Malo e Débora Ávila.  Tradução: Grupo de Estudos em Antropologia Crítica (GEAC). Originalmente publicada no El Diario. Empreender, se virar, seguir em frente, sobreviver, progredir e, para tudo isso, conquistar espaços e tempos sob condições de expulsão e despossessão: o motor das economias populares tem a ver com este conatus, com esta … Continuar a ler