O que podemos fazer? O desafio de sermos novos acadêmicos em universidades neoliberais

middlesex2

Faixa confeccionada pelos estudantes da Universidade de Middlesex em protesto contra o corte de recursos e a agenda neoliberal de gestão da instituição (Foto: Steve Henshall)

Por Coletivo de Escrita SIGJ2. Tradução: Paulo Muller

A competição acadêmica está arraigada na construção de um certo “racionalismo” (seguidamente “economicista”) corporificado que adotamos ao longo de nossa socialização na academia. Tal competitividade não leva à colaboração ou à busca coletiva por conhecimento e práticas. O que queremos fazer aqui é algo positivo: queremos enfatizar algumas formas de contestar e até mesmo de subverter estas pressões competitivas, especialmente enquanto acadêmicos iniciantes.

* * *

Nesta intervenção, o Coletivo de Escrita SIGJ2 aborda uma série problemas associados ao produtivismo acadêmico e à neoliberalização da universidade. Em oportunidades anteriores o blog do GEAC havia disponibilizado outros textos que dialogam com as preocupações e propostas desenvolvidas na presente publicação (Disciplinar a pesquisa, desvalorizar a docência: quando a universidade se torna empresaDo epistemicídio: a ciência como produção pela produção).

Para baixar o texto, clique aqui. Para ler no idioma original, clique aqui.

O que podemos fazer? O desafio de sermos novos acadêmicos em universidades neoliberais

Introdução

Em meados de 2011, um de nossos coletivos de escrita* recebeu uma notificação da gestão da universidade que dizia que seu departamento “carecia de vigor na pesquisa”, e por isso seria fechado. Contudo, esta “carência de vigor na pesquisa” resultava diretamente da falta de investimento da universidade em pesquisas de membros do departamento. A carga de aulas havia aumentado ao passo que o tempo para pesquisa havia minguado. Dada a reestruturação neoliberal da universidade, nos parece óbvio que ocorrências como essas se tornarão cada vez mais comuns, e por isso nos questionamos sobre como atuar em tempos infestados pela crise, em universidades infestadas pelo neoliberalismo.

Somos um grupo de novos acadêmicos** que valoriza o engajamento político. Nos perturba o fato de que atividades que ousam ir além da universidade – tais como aulas públicas, oficinas de ativismo, performances teatrais colaborativas, produção de cartilhas para imigrantes, e até mesmo escrever publicações voltadas para ativistas – não “contam” como atividades acadêmicas sérias. Entendemos que ao encorajar tais atividades e levá-las para fora, também estamos contestando a reprodução neoliberal (e em nós mesmos) da distinção entre “dentro” e “fora” da universidade, e ao fazê-lo, tornamos possível a abertura de brechas para mudanças progressivas. Por outro lado, estamos particularmente conscientes do quanto nosso status de novos acadêmicos nos coloca em uma posição precária e limitadora de nossas habilidades para modificar o sistema de dentro. Ainda assim, estamos determinados a encontrar maneiras de ser a mudança que queremos ver na academia, o que requer uma compreensão abrangente das instituições da academia, bem como a imaginação coletiva de um futuro alternativo.

A atual investida da reestruturação neoliberal na academia representa o ápice de reformas insidiosas que vem acontecendo há anos. Este processo podou a independência acadêmica e nos fez cúmplices e extensões do pensamento neoliberal. Nossas tarefas administrativas (p. e.: avaliar a relevância de pesquisas), atividades profissionais (p. e.: defender a relevância da geografia, como o tema da Conferência RGS-IBG 2012 parece sugerir) e o ensino (p. e.: competindo por estudantes, domésticos e de outros países) nos forçam a corporificar as pressões neoliberais. É esta corporificação que queremos contemplar nesta intervenção. Temos que entender e confrontar o modo como, enquanto membros de comunidades acadêmicas mais amplas e de relações sociais diversas, acabamos por nos tornar o lugar, a estratégia e o mecanismo individualizados da ascendência neoliberal na academia.

Pressões competitivas na academia neoliberal

O que queremos dizer quando afirmamos que nos tornamos o lugar, a estratégia e o mecanismo individualizados da ascendência neoliberal na academia? Dentro da academia a pressão para provarmos o valor de nosso trabalho e assegurarmos nosso futuro é exorbitante. Fazemos um investimento pessoal considerável na construção de um corpo de trabalho, uma reputação, assim como na manutenção de relacionamentos pessoais e profissionais através do tempo e do espaço. A pressão para publicar em determinados periódicos molda o trabalho que fazemos e o modo como o re(a)presentamos. Tais pressões nos levam a comprar o conceito de “relevância” da pesquisa e outros critérios de avaliação constituintes da governamentalidade de instituições acadêmicas neoliberais.

Para usar a frase poética de Tennyson, nesta fase de nossas vidas acadêmicas, nos encontramos à mercê da competitividade selvagem*** medida por um conjunto limitado de critérios. Fomos jogados uns contra os outros em uma competição sem fim. Somos forçados a competir uns com os outros por empregos e financiamentos; somos forçados a seguir estratégias de publicação baseadas em avaliações particulares (e peculiares) de seu valor (p. ex.: quantidade de citações); somos forçados a competir desde o início do processo de produção coletiva de conhecimentos e aprendizados; somos constantemente forçados a competir como indivíduos no mercado de trabalho acadêmico. Estes processos estão implicados em uma configuração em escala muito mais ampla, na qual universidades competem entre si por financiamentos, estudantes e reputação.

A competição acadêmica está arraigada na construção de um certo “racionalismo” (seguidamente “economicista”) corporificado que adotamos ao longo de nossa socialização na academia. Tal competitividade não leva à colaboração ou à busca coletiva por conhecimento e práticas. O que queremos fazer aqui é algo positivo: queremos enfatizar algumas formas de contestar e até mesmo de subverter estas pressões competitivas, especialmente enquanto acadêmicos iniciantes.

Novos acadêmicos: o que podemos fazer?

Nosso ponto de partida pode não ser agradável. Temos que encarar a questão sobre nossas reais possibilidades de confrontar ou mudar nossos ambientes institucionais e nossos próprios relacionamentos interpessoais. O que nos é evidente é a necessidade de agir coletivamente no sentido de reduzir a competição individualizada. Há diversas ações radicais (e cotidianas) que podemos realizar e, como sempre, há exemplos promissores a seguir, como o trabalho de Geraldine Pratt e Diana Mitlin, que pressionaram os limites da academia neoliberal “convencional”.

Nossa primeira ideia é motivada por uma política igualitária que ampara a noção de que todo conhecimento é um empreendimento coletivo, que pertence aos commons, e que deveria estar disponível gratuitamente. Temos esperança na promoção e no encorajamento de modos coletivos de publicar, como fizemos aqui, e como muitos fizeram em outros lugares (ex.: o Coletivo Trapese², Gibson-Graham, etc.). Contudo, mais do que um exercício isolado, nos desafiamos a pensar como poderíamos fazê-lo mais frequentemente, mais sistematicamente, e exercendo mais influência. Poderíamos, por exemplo, estabelecer coletivos de escrita compostos por pessoas com interesses similares, como fez a sra. c kinpaisby(hill). Poderíamos publicar com um nome coletivo, como fizeram o Coletivo 283 (em Antipode) e o Coletivo de Pesquisa Spacetime (em Human Geography). Poderíamos parar de contabilizar citações ao nos referirmos a pesquisadores individualmente, e não a seus textos. E poderíamos disponibilizar gratuitamente nossos papers online como membros de um coletivo de escrita, no lugar de periódicos que visam lucro (um exemplo é o recente boicote a publicações na Elsevier).³ Trabalhar desta forma coletiva não tornaria a avaliação por pares obsoleta. Pelo contrário, poderíamos manter o rigor em nossos trabalhos ao contribuir com ideias, sem medo de perder “margem de manobra” entre nós. Tal estratégia teria implicações dramáticas para os critérios de desempenho institucional existentes, como o Research Excelence Framework (Quadro de Excelência em Pesquisa”) (REB), no Reino Unido, ou o Performance Based Research Fund (PBRF) (Fundo de Pesquisa por Desempenho) em Aotearoa/Nova Zelândia, e ao processo de posse permanente (tenure) na América do Norte. É improvável que nossas carreiras voltem a ser avaliadas como antes se fizermos este esforço coletivo. Entretanto, o maior impedimento a esta estratégia são nossas próprias posições, frequentemente inseguras, como acadêmicos iniciantes em um sistema universitário que nos coloca uns contra os outros. Seria difícil abrir mão de reivindicar a autoria “individual” de “nossos” trabalhos. Neste sentido, temos que trabalhar não apenas em oposição à universidade neoliberal, mas também combater nossas expectativas corporificadas a respeito do que significa ter uma carreira acadêmica. Por outro lado, algo que poderíamos fazer mais facilmente seria dar créditos à escrita coletiva em nossos currículos e em entrevistas de emprego.

Segundo, precisamos ser otimistas e esperançosos a respeito das oportunidades que temos como acadêmicos. Temos que lembrar que não é simplesmente uma questão de ter ou não liberdade acadêmica, mas de como utilizamos o que temos. Sem dúvida, a crescente padronização da academia traz preocupações relacionadas com a perda de independência e autonomia na busca pela “ciência”. Ao mesmo tempo, temos que lembrar que “padrões” não são problemáticos em si mesmos. A questão é como tomamos decisões com base neles, como os avaliamos, e como chegamos a um consenso sobre quais devem ser estes padrões. Como pesquisadores, avaliamos os trabalhos de colegas, suas candidaturas a financiamentos, suas práticas de ensino. Deveria parecer uma tarefa simples ignorar ou subverter a questão da “relevância” ou da “qualidade” quando vamos avaliar estas candidaturas a financiamentos, submissão de artigos para publicação, relatórios de ensino. Nada nos força, enquanto pareceristas, a seguir os padrões estabelecidos por conselhos nacionais de pesquisa, especialmente se considerarmos que dedicamos nosso tempo a isso praticamente de graça ou em troca de muito pouco. Na próxima, diga apenas “excelente memorial” no relatório da banca, ou quando tiver que avaliar a competência de alguém para uma função particular, coloque tanto peso no “ativismo” e no engajamento social além da universidade quanto em publicações e ações internas.

Uma terceira ideia – inspirada por vários expositores do SIGj como Paul Chatterton, Nik Heynen e Gerry Pratt – é a combinação de ativismo com atividades acadêmicas. São exemplos disso o estabelecimento do centro social radical autônomo CommonPlace em Leeds, por Chatterton; o trabalho de Heynen com ativismo alimentar em Atenas, e o envolvimento de Pratt com trabalhadoras domésticas filipinas e com teatro depoimento em Vancouver e Berlim. Ao trabalhar em prol de críticas a desigualdades, opressões e injustiças, também podemos identificar e valorizar exemplos e construções de diversidades, equidade e, em última instância, de igualitarismos, que podem fornecer visões de mundo alternativas. O que podemos fazer, então, para nos mover além dos muros ou da torre (ou qualquer metáfora estrutural apropriada) e para desafiarmos a dissociação entre universidade e sociedade? Desafiar nós mesmos a produzir a partir de inovações de outros pesquisadores-ativistas, e a imaginar novas formas de criar e compartilhar conhecimento que não reforcem as instituições neoliberais nas quais estamos involucrados.

Conclusão

Como novos acadêmicos, temos a oportunidade de nos envolver em formas mais radicais de ensino, pesquisa e ativismo, e queremos encorajar todo novo acadêmico a dar um primeiro passo, para se dar conta de que não necessariamente seremos todos castigados por fazê-lo. Também queremos, simultaneamente, encorajar todos os acadêmicos já estabelecidos a aceitar novas formas de saber e a reconhecê-las oficialmente quando aparecerem em reuniões, candidaturas a financiamentos, decisões editoriais, etc. Tanto os acadêmicos quanto as instituições precisam mudar. Obviamente, o alcance de nossos engajamentos é limitado por nossa carga de trabalho e pelas exigências de nossos contratos. Mas isso não significa que não podemos nos dedicar ao pensamento e a ações críticas ou radicais. Integrar ações e pensamento crítico ou radical a nossa carga de trabalho parece ser a opção mais sensata. Deste modo nos desafiamos a descobrir formas cotidianas, corriqueiras, de questionar a universidade neoliberalizada e construir o tipo de comunidade acadêmica da qual queremos fazer parte.

Notas

1. O segundo Antipode Summer Institute for the Geographies of Justice aconteceu de 18 a 22 de maio de 2009, em Manchester, Reino Unido (ver http://antipodefoundation.org/institute-for-thegeographies-of-justice/). Escreveram este artigo, em ordem alfabética, entre outros: Kean Birch

(autor para correspondência: kean@yorku.ca), Sophie Bond, Tina Harris, Dawn Hoogeveen, Nicole

Laliberte e Marit Rosol. O artigo se baseia em proposições dos seguintes autores, listados em ordem alfabética: Melinda Alexander, Jason Beery, John Paul Catungal, Nathan Clough, Sean Gillon, Vanessa Lamb, Kyja Noack-Lundberg, Nina Martin, Andre Pusey, and Omar Salamanca. As seguintes pessoas participaram ativamente acrescentando comentários provocativos que vieram a dar forma ao artigo. Recebemos duas rodadas de questões dos onze particpantes. Embora não tenham participado do processo de escrita, foram ativos no processo. Agradecimentos especiais a Punam Khosla, que forneceu as questões norteadoras das proposições a partir das quais este artigo foi construído. Uma pessoa que submeteu proposições solicitou não ser associada ao artigo.

2 http://www.trapese.org/

3 http://thecostofknowledge.com/

* N.T.: http://sigj.wikispaces.com/

** N.T.: em inglês, as palavras academic e scholar, referem-se a intelectuais que atuam profissionalmente em universidades e instituições de pesquisa como professores e/ou pesquisadores. Optou-se por manter a tradução literal para manter o sentido pretendido pelos autores, que é o de “novos trabalhadores acadêmicos”. Não confundir com o uso que se faz do substantivo “acadêmico”, no Brasil, que é sinônimo de “estudante universitário”. A transposição das reflexões aqui apresentadas para o papel que novos estudantes possam ter na academia neoliberal, por outro lado, parece ser relevante e necessária.

*** N. T.: a(o)s autora(e)s referem-se, aqui, ao poema de Alfred Tennyson, In Memoriam A. H. H., finalizado em 1849, onde a expressão “red in tooth and claw” – sangue nos dentes e nas garras – opera como metonímia da ideia de “seleção natural”: Who trusted God was love indeed / And love Creation’s final law / Tho’ Nature, red in tooth and claw / With ravin, shriek’d against his creed (Quem confiou em Deus foi o amor / e a lei final da Criação do amor / apesar da Natureza, com sangue nos dentes e nas garras / gritou contra seu próprio credo, a delirar)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s